lundi, octobre 01, 2007

A CARA DO ESTADO

Como se já não bastasse a precária situação da Universidade Do Estado do Rio de Janeiro, que só quem convive diretamente com os problemas cotidianos da instituição tem plena noção do que é não ter portas em suas salas, não ter ventilador, carteiras, giz, apagador, para não dizer também a falta de professores em determinadas matérias (enfim, não ter condições básicas para que seja dada aula regularmente), fora a questão de infra-estrutura, que vai desde falta de bebedouros, péssimo estado dos banheiros, a situação das rampas e do próprio prédio em si, que chega a ser visível até para aqueles que passam apressados pelos arredores do quarteirão, e sem contar com os absurdos que ocorrem lá que, vai desde greves a suicídios, no domingo a UERJ pegou fogo.

E pegou fogo mesmo, literalmente. Uma suposta fagulha de uma solda que caiu sobre papéis teria conseguido incendiar total ou parcialmente seis andares, destruindo principalmente as salas da reitoria e da sub-reitoria. Pelo menos é o que está sendo divulgado pela imprensa, antes da perícia indicar o que realmente pode ter causado o incidente.

Mas já faz algumas semanas que a UERJ vem pegando fogo. O clima de tensão vem aumentando desde que foi anunciado o corte de cerca de 35 milhões na verba destinada à instituição (como se este dinheiro fosse completamente desnecessário). Foram feitos alguns protestos e passeatas de pouca repercussão por parte dos alunos nessas ultimas semanas, e o boato de greve, embora muitos o desmintam, ainda existe. Para completar, começou agora a campanha eleitoral dos candidatos à reitoria da universidade. Cartazes e mais cartazes colorem aquele ambiente cinzento. E o buxixo incessante põe mais lenha na fogueira. E no domingo, a UERJ finalmente pegou fogo.

Sou uma dos 23 mil alunos matriculados na uerj, uma dos aproximadamente dois mil alunos do curso de letras, uma dos que tiveram a sorte (ou azar) de ter tirado boas notas no vestibular e ingressado na vida acadêmica no primeiro semestre de 2006, depositando lá as suas esperanças e sonhos de um futuro promissor. Afinal, não é todo mundo que consegue passar para a uerj e isso passa a ser um mérito na vida de qualquer um, não é mesmo? Mas essas esperanças e sonhos vão se desmantelando com o tempo e com a carga de realidade com a qual nos deparamos desde o primeiro dia que botamos os pés lá.

Mal entrei na faculdade, me deparei com uma greve de quase três meses, que não resultou em melhoria alguma, e de quebra ainda passei janeiro e o começo de fevereiro estudando.

Fico pensando naqueles que já estão a mais tempo do que eu nessa batalha para conseguir um diploma, o quanto de esforços que eles já não devem ter feito para continuar enchendo a boca para dizer que estuda em uma universidade pública, que tem um currículo renomado e os melhores professores do Estado.

Fico pensando naqueles que desistiram. Aqueles que, de tanto acreditar, acabaram perdendo a fé em órgãos do governo, e viram que foi perda de tempo tentar investir em um futuro melhor. Largaram a faculdade e foram fazer qualquer coisa que exigisse pouca qualificação por aí e sobreviver disso para sustentar a família.

Fico pensando naqueles que estão vivendo sob pressão e perdendo o sono para conseguir uma vaga numa universidade de grande porte, como a UERJ. Naqueles que não podem pagar por um ensino particular e depositam meses (e por que não anos?) Inteiros da sua adolescência estudando para, no final de quatro anos ou mais, ganhar um diploma de persistência como prêmio de consolação.

Fico pensando também se, de lá de cima, onde estão sentadas as pessoas que podem resolver esta situação, dá para ver e sentir tudo isso. Será que eles se importam? Será que o imposto pago pelos meros mortais do Rio de Janeiro está mesmo sendo convertido em melhorias para a população? O incêndio de domingo foi mais uma gota d'água que comprova que a resposta é não.

A UERJ é a cara do estado, é todo o descaso materializado em 12 andares de concreto, aonde faltam coisas que falta a todo cidadão que neste estado vive. Falta segurança, falta infra-estrutura, sobram burocracia e promessas de que tudo será resolvido. Domingo, a uerj pegou fogo, e espero que ela não tenha que explodir e desabar de vez para que o governo do estado veja que a nossa situação é urgente.

1 commentaire:

Danizinha a dit…

Garota...Já achou seu RG, ou preferiu casar com o zezinho roots???
auhuauhauha


Deixei esse recado aqui, só pra dizer que AMO os seus textos...É sério...Perái, AMO é um pouco exagerado, mas posso dizer que sinto tesão em lê-los!

Morro de rir com os seus comentários....Hiii, acho que não deveria falar isso né?
Vai que você é uma escritora séria, e que sua última intenção seria não fazer as pessoas rirem?
Isso é coisa pra largar a profissão ...
Igual a um DJ que tocou pra no máximo 200 pessoas num show que eu fui! Sendo que á 20 minutos atrás, o Rappa tinha tocado pra quase 20.000 mil....Não sei até hoje se ele continua na profissão!

Mas é sério, seus testículos são FODAS!

Sempre venho aqui ler!

Bom, aposto que não percebeu que eu saí do orkut!
Saí...aquela coisa me ocupava metade do dia!Preferi abstrair e apenas ficar procurando blogs interessantes...
A propósito, já foi no "Jesusmexicoteia"?
Vá e dê uma olhada!
Sensacional!

É isso menina!

Sucesso com seus textos(se vc quiser isso) mas adianto que vc tem futuro com eles!

Beijos!

Há, quando vamos num show do Natiruts para perdermos nossas, digo, SUAS coisas novamente???
uhauhahua

+ beijos!