samedi, juin 28, 2008

Para curar qualquer dor.

Para curar qualquer dor, como se cura qualquer ressaca: sonrisal limão, eno de laranja e muita água. Um banho gelado, que seja um balde de água fria nas idéias. As idéias, presas num emaranhado delas mesmas. A cabeça que, confusa, pede pra rever a cena, reouvir a notícia, porque ainda não assimilou tudo muito bem.

Para curar qualquer dor, grite, xingue, esbraveje, mande à merda. Ainda que silenciosamente. Sinta o gosto amargo na boca, aquele que seca e dá nojo, aquele que te faz desejar nunca ter chegado perto daquilo que deu origem à sua dor. Você sente nojo é de você. Você grita consigo, se xinga, esbraveja, se manda à merda. Vai à merda. Fica na merda.

Para curar qualquer dor, uma cerveja gelada. Um maço de cigarros, uma roda de amigos. Uma cachaça forte, numa mesa de bar. Bebida-analgésico. Bebida-perda-de-memória-recente. Olhando as bolinhas de gás que sobem naquele amarelo-ouro brilhante, tão bonito.. Para curar qualquer dor, não olhe pro céu, não é hora. Deixe que o primeiro clarear do dia te avise quando é tempo de voltar pra casa. Sozinho, na madrugada amiga, acolhedora, na noite com seus sortilégios. As ruas e lugares esvaziando, sobrando você, sobrando aqueles que saíram para curar suas dores. Sobrando somente a dor. Vinte e quatro cervejas, para curar qualquer dor.

Para curar qualquer dor, não tente entender. Não busque explicações satisfatórias, comprovações científicas, não procure no dicionário. Não procure em gavetas, portas, armários, lojas ou salões. Não está na janela, nem dentro da geladeira. Não queira entender. Não espere respostas na astrologia, não pense que vai cair do céu. E se só Deus sabe, não se daria o trabalho de te contar. Não apele pra macumba. Não fique remoendo.

Para curar qualquer dor, engula o choro. Seja homem. Vá pro canto se esconder, caso as lágrimas teimosas cismem em cair. Ninguém pode ver. Respire fundo, engula a seco, vai descer rasgando, mas se dê por satisfeito. Ou, pelos menos, finja. Finja simpatia. Force sorrisos, e se esforce para que saiam algo próximo a naturais. Isso, continue rindo esse sorriso quase natural pendurado no rosto, para curar qualquer dor. Seja fingidor.

Para curar qualquer dor, não pare. Não olhe pros lados, não tem ninguém. Não olhe pra trás. Como bicicleta, que só se equilibra em movimento, não pare. Não pense. Não pare para pensar.

Para curar qualquer dor, basta fechar os olhos, abrir os ouvidos, abrir o coração. Deixe o que é bom entrar como inspiração. Deixe a música penetrar como água, pelos poros da pele. Se esqueça, se largue, se abandone em algum lugar ou instante. Solte suas amarras, se solte. Permita-se. Dance. Para curar qualquer dor, a bossa de um repique e um pandeiro. Distraia-se no movimento, nos instrumentos, nos sorrisos, viaje no som.

Para curar qualquer dor, viaje. Pra longe, ou bem longe, ou pra perto, ou sem sair do lugar. Liberte o pensamento. Deixe o vento descabelar ou a brisa fazer cosquinha. Pode abrir os olhos já, e enxergar quanto o há na sua frente, não antes de olhar o quanto há dentro de você. O universo inteiro lá fora, o infinito particular aí dentro. Uma dor não é nada perto disso, nem você. Tá tudo tão perto... você é pequeno, pequenininho, insignificante. Você some no incomensurável. Suma.

Para curar qualquer dor, chore. Chore muito, abra o berreiro, bote pra fora a sua dor. Para curá-la, tem de haver ferida sangrando, tem que chorar. Chore tanto, até que você fique sem voz. Chore tanto, até que você fique fraco. Se dilacere, rasgue a roupa, arranque os cabelos. Chore alto, forte, intenso. Se despedace. Soluce. Fique com o rosto inchado. Fique com sono.

Para curar qualquer dor, durma. Durma feito criança. Durma feito pedra. Descanse, relaxe. Um banho quente, antes disso, para afagar o coração. Deite o rosto no travesseiro, e não se preocupe, amanhã você já não vai mais molhá-lo. Foi só um susto, criança. Se faça cafuné, se nine, e durma. Durma bem, durma com os anjos. Ao acordar, você vai lembrar que, como tudo na vida, as alegrias, o dinheiro, o onibus, o tempo, os amores, as pessoas, tudo, tudo passa. Ao acordar, toda dor passa, toda dor se esquece. Você se torna mais forte para poder doer mais, depois, poder curar qualquer coisa depois.

--

E, de repente, eu abri os olhos, e ela não estava mais lá. Nem pra se despedir. A dor foi embora sem falar comigo. Chegou de susto, mas foi embora de mansinho, em absoluto silêncio.

2 commentaires:

carlos a dit…

É precisei tanto ler isto a tão pouco tempo ... exatamente como as coisas são ...

Fico sempre impressionado com esse talento em escrever e em expressar em palavras o que se passa na alma e ainda brinca com tudo isso ...

Ana é sério acho e torço para que mais gente conheça esse talento e beneficie-se com ele como faço sempre que leio seus textos ...

carlos a dit…

É precisei tanto ler isto a tão pouco tempo ... exatamente como as coisas são ...

Fico sempre impressionado com esse talento em escrever e em expressar em palavras o que se passa na alma e ainda brinca com tudo isso ...

Ana é sério acho e torço para que mais gente conheça esse talento e beneficie-se com ele como faço sempre que leio seus textos ...