jeudi, août 07, 2008

Herrar é o mano!

Quantas e quantas vezes já me disseram isso, e tantas outras eu já não disse também? Parece uma função fisiológica nossa cometer erros. Eu erro, tu erra, eles eram.. Ops, errei. Tu erras, e não menos que eu. Nada mais humano que cometer enganos.

Quem nunca apostou alto pela opção errada? Marcou c) quando a resposta era a) ? Ou afirmou com toda a convicção do mundo que era com SS, quando na verdade era com Ç? Leu o endereço errado, confundiu os números do telefone, pegou o trajeto mais longo e o onibus que não era pra ter pego?

Que jogador nunca perdeu um pênalti ou errou o passe por ter se adiantado ou se atrasado em questões de milésimos de segundos? Que goleiro nunca frangou? Que cantor nunca errou a letra da própria música?

Quem nunca se deixou levar, quando o vento, repentinamente, resolveu soprar pro lado errado? Quem nunca agiu por impulso e se arrependeu depois? Quem jamais entrou naquele conflito banal 'cabeça x coração' e saiu perdendo no final? Quem nunca acreditou no que não devia, se apoiou no que não devia, foi mais longe do que devia? Quem, alguma vez, não passou da conta, extrapolou, comeu demais, bebeu demais, dormiu demais, perdeu a hora? Julgou errado, se julgou errado? Enganou sem querer, e se enganou também?

Se enganar é normal. Dar passos em falso é mais certo que caminhar em segurança. Desculpe, mas sou humana, passível de erro, imperfeita, com fraquezas e limitações. Me apresente uma só pessoa no mundo que não seja assim, para que ela possa, enfim, me jogar a primeira pedra.

E mesmo que todos errem, me cobram uma postura infalível, numa sociedade onde, erroneamente, não se comete deslizes, onde não se conjuga o verbo no tempo errado, onde nunca erraram numa conta matemática. Eu posso estar errada, mas isso não é vida para mim. Antes um erro sincero que uma verdade forjada - virou um princípio.

Dizem que é errando que se aprende. Que é errando várias vezes que se acerta. E quer saber ao certo? Pra mim, que não aprendo mesmo, tanto faz. O meu certo é o errado, o normal é o anormal, não quero mais me esforçar para acertar. Quanto mais eu me policio para me enquadrar em um perfil certinho, menos vivo sendo eu, na minha condição: humana, com H maiúsculo, mulher latino-americana de sangue bem quente, que se queima nas próprias confusões, mas faz questão de estar sempre vivendo, ainda que isso a remeta ao erro constante. Sou gente, que respira fundo e perde a respiração de vez enquando, aquecida a 36º, oscilante entre "sim" e "não", e não uma constante previsível de estatística desumana.

E herrar não é nada menos que umano.
Ou estou errada?

2 commentaires:

Aline Leal a dit…

errar é umano e persistir no erro é buriçe.

Anonyme a dit…

me perdoe.. mas fiz do seu blog um "livro de autoajuda" mas daqueles que realmente ajudam.. simplesmente adorei seus textos. Pena que só os conheci agora.. Parabéns!